quarta-feira, 15 de abril de 2015

[Resenha] Beijos Infernais - Diversas Autoras

Autoras: Kristin Cast, Richelle Mead, Alyson Noël, Francesca Lia-Brock e Kelley Armstrong
Editora: Galera Record
Páginas: 272
Classificação: 3.5/5 estrelas
Título Original: Kisses From Hell

Cinco histórias de amor e medo, onde a paixão e o sobrenatural misturam-se a todo instante. Tanto na história de uma vampira fugitiva que se vê forçada a confiar em um garoto cuja missão é destruí-la até a relação de amor entre dois imortais, o limite entre o desejo e o perigo torna-se cada vez mais visível.

Kristin Cast, Richelle Mead, Alyson Noel, Kelley Armstrong e Francesca Lia Block fazem o leitor questionar o verdadeiro sentido do “amor eterno” e mostram seus prós e contras.

Resenha:

O que um beijo é capaz de despertar?

Por ter me decepcionado com Formaturas Infernais, eu estava com medo de começar os outros livros. Eu sei que cada conto é de um autor diferente e não são obrigados a ser ruins como o do primeiro, mas estava com medo de que eles fossem tão bobos quanto os do livro inicial. Depois de muita indecisão, decidi pular Amores Infernais e ler logo Beijos Infernais, pois amei essa capa. Assim como fiz com Formaturas Infernais, dedicarei um parágrafo para cada conto e no fim, comentarei o livro no geral.

Começando por Luz do Sol de Richelle Mead, o conto foca em um personagem do mesmo mundo de Academia de Vampiros. Ainda não li nenhum livro da série, mas gostei bastante dos personagens apresentados no filme. Porém, não gostei do protagonista desse conto, Eric, nem dos casais que ele formou - um com a primeira namorada e posteriormente, com a protagonista Rhea. Aliás, ela foi a única personagem que gostei. No geral, achei que o conto será mais bem apressiado pelos fãs da saga VA, pois ele foi esquecível para mim.

O segundo conto, Ressuscita-me, é de Alyson Noël é o melhor. Fiquei bastante intrigado para descobrir o que os personagens eram - mesmo ficando implícito no conto, achei que aconteceria uma reviravolta que nem Alyson fez em Para Sempre. Apesar de não ter acontecido, o conto não perdeu seus méritos e gostei do final que foi dado, além de ter me identificado com Danika e Bram.

Em seguida temos Acima, de Kristin Cast. De todos, esse é o mais confuso. É escrito como um poema, mas o confuso é a história - e não o modo de escrita. Acho que o modo de escrita até se casou bem com o conto, uma forma de palavras soltas e desconexas. Não foi o melhor conto, mas a partir do encontro dos protagonistas, a história flui. Gostei bastante do final, achei bem coerente.

O quarto, Caçando Kat, de Kelley Armstrong, é o segundo melhor conto. Diferente dos outros, ele é todo contado em apenas um capítulo e é cheio de reviravoltas. Acredito que se a autora lançasse uma série baseada nele seria bem legal, pois toda a trama de vampiros perseguidos por uma tal de Edison Gruop, que sequestra e monitora crianças para transformá-las em vampiros geneticamente modificados. O trio de protagonistas são bem criados pela autora, e é impossível não torcer por eles.

O que encerra o livro é Lilith, de Francesca Lia-Block. Assim como o primeiro, foi bem chatinho. Principalmente a repetição com o nome do protagonista, Paul Michael. A autora insiste em escrever "Paul Michael" todas as vezes, em vez de apenas "Paul". E o personagem não ajuda, sendo tão chato quanto à outra protagonista, Lilith. O pior conto - e menor, graças a Deus - do livro, definitivamente.


No geral, achei apenas dois contos do livro bons - Ressuscita-me e Caçando Kat. Acima teve um final bem legal, mas a história foi muito desconectada e quase desisti do livro antes do tão encontro de Sol e Rheena. Já Luz do Sol e Lilith foram totalmente dispensáveis. No geral, assim como Formaturas Infernais, eu não recomendo - apenas os dois contos que gostei. Será que terei coragem para enfrentar Amores Infernais e Férias Infernais, depois de dois livros da saga serem quase duas bombas por completo? Vamos ver...

Nenhum comentário:

Postar um comentário